fbpx

Criar uma relação generosa entre as pessoas. É isto o que baliza o trabalho da Escola Estilo de Aprender, que há 15 anos oferece Ensino Infantil e Fundamental I na zona oeste de São Paulo. “O principal é dar às crianças a chance de se relacionarem com aquilo que aprendem e, aos professores, a oportunidade de terem um espaço de autoria na construção desse conhecimento”, explica o diretor Marcelo Cunha Bueno. É nesse contexto que a escola passou a adotar mindfulness, oferecendo a 40 professores – que trabalham com crianças até 11 anos – formação específica no assunto.

A justificativa é que o ensino, na Estilo de Aprender, é feito sobre três pilares: o tempo e o espaço de aprendizagem, para que se criem vínculos éticos e estéticos, abraçando a multiplicidade e as diferenças; a valorização das múltiplas inteligências, para que o aluno possa pensar em rede, desenvolvendo um pensamento crítico, relacional e complexo; e o entendimento de como a criança aprende, avaliando como se processa o aprendizado por meio dos interesses e dificuldades específicas. “Esse entendimento nos permite criar materiais personalizados e uma didática específica para cada aluno, porque, se por exemplo, ele não sabe fazer uma operação matemática, a origem disso pode ser diferente da de outro aluno com a mesma dificuldade. Por isso estamos atentos ao processo, não apenas ao resultado”, explica Marcelo.

Marcelo Cunha Bueno

O diretor afirma que a própria criança deve ter  consciência desse processo de aprendizado e que, nesse contexto, a inclusão de mindfulness para os alunos foi essencial. “É um caminho para dentro, de silêncios, de reflexão e avaliação. Não é respirar para melhorar na escola, mas para transformar-se como ser humano. Alguém só pode ser reflexivo se puder se conectar com seu lado interno. O silêncio, que pode ser perturbador, para nós é estruturante”, diz.

Ele conta que o trabalho desenvolvido pela MindKids na Estilo de Aprender, há mais de um ano, mudou a rotina dos professores que lecionam ali. Mindfulness tornou-se uma prática diária, que ajuda a escola a cumprir aquilo a que se propõe: oferecer uma educação mais consciente, com compaixão, mais atenta e voltada às crianças.  

Crianças meditam na Estilo de Aprender

Na sala de aula

A professora Vivian Machado Lopes Lourenço, que dá aulas para grupos de crianças de 2 a 3 anos e de 7 a 8 anos, afirma que a os workshops da MindKids ajudaram-na a fortalecer sua prática diária de meditação e a aplicar mindfulness na sala de aula, mesmo com as crianças menores, já que a instrutora, Dani Degani, leva aos professores recursos simples e práticos, como bolinhas, penas e luzes, com os quais as crianças interagem facilmente. “Elas ficam mais calmas e centradas, as mães vêm contar sobre as mudanças”, diz.

Para os menores, Vivian conta que é a experiência do silêncio, de aquietar a mente, o que mais impacta. Ela explica que começou testando a prática com crianças maiores e que percebe que sua própria prática ajuda na prática das crianças. “É mais fácil tocá-las e incentivá-las quando eu pratico. Isso constrói um enredo, para criarmos juntos esse espaço de meditação”, diz.

Vivian realizou uma oficina multiseriada, com alunos do primeiro ao quinto ano, após uma prática de meditação, na qual eles falaram sobre o que sentiam naquela ocasião. A foto da lousa (acima) resume as palavras ditas pelos alunos.

A seguir, elencamos algumas frases dos alunos de Vivian, após a prática:

“Sentei num banco na Avenida Paulista e meditei” – C.L. – 7 anos, sobre focar-se na meditação independente dos ruídos do ambiente  

“Minha perna e meus pés ficam em silêncio também” –  C. T. – 7 anos, sobre a importância de silenciar (e de como a prática o aquietou fisicamente) 

“Imaginei uma cachoeira na barriga da minha mãe” –  I. O. – 4 anos, quando solicitado a pensar em um ambiente com água, para acalmar-se.  

“Fiquei mais brilhante”  M. M. – 3 anos, sobre o que a meditação o fez sentir.  

É assim que, na Estilo de Aprender, a prática de mindfulness dá suporte para que os alunos consigam construir o conhecimento, criando uma relação estreita com aquilo que aprendem e estruturando uma visão crítica do mundo que os cerca. 😊

Ficou inspirado com esta história? Conheça também o programa de mindfulness na be.Living e no Oswald de Andrade